Lideranças médicas discutem Decreto nº 8497/2015 e apresentam dados sobre a formação de especialistas no Brasil

Representantes dos Conselhos de Medicina, das Associações Médicas e das Sociedades de Especialidades, além de outras entidades da categoria, estarão reunidos na manhã desta quarta-feira (12), em Brasília, para alinhar estratégias que visam a extinção do Decreto 8497/2015 – que instituiu a etapa Mais Especialistas ao programa Mais Médicos.

Segundo as entidades, esse Decreto da Presidência da República abre brechas para mudar os critérios de formação de médicos especialistas no Brasil e deve ser objeto de ações das entidades em diferentes esferas. Na oportunidade, os líderes das entidades conversarão com a Imprensa para explicar a forma como a norma compromete o ensino médico e também o Sistema Único de Saúde (SUS). Dados atualizados sobre a Residência Médica no Brasil também serão apresentados.

Na última semana, as entidades divulgaram nota com posicionamento conjunto onde classificam a medida como uma “interferência autoritária por parte do Poder Executivo na capacitação de médicos especialistas no País, caracterizando-se, mais uma vez, pela ausência de diálogo com os representantes das entidades médicas, das universidades e dos residentes”. Para as entidades, o Decreto representará a transformação do SUS num modelo de atenção desigual, marcado pela iniquidade ao oferecer aos, seus pacientes, assistência com médicos de formação precária, com consequentes riscos para valores absolutos, como a vida e a saúde.

Fonte: Portal do CFM, 11/08/2015.